6ª Feira

PROGRAMAÇÃO DA VI FEIRA ANARQUISTA DE SÃO PAULO (2015).
Para mais informações entre em contato: feiraanarquista@gmail.com

10h00 – Início da Feira Anarquista de São Paulo 2015

10h00 – Filme: Casa da Lagartixa Preta “Malagueña Salerosa”: 10 Anos de Experiências Anarquistas (70 min)

10h00 – Jogo: Jogo da Memória do Muralismo Libertário e outras brincadeiras (Espaço Adelino de Pinho)

10h30 – Oficina: Aproximações entre anarquismo e improvisação musical livre – Stênio Biazon

10h30 – Debate: Futebol Libertário – Rosanegra Ação Direta e Futebol (São Paulo/SP)

10h30 – Debate: As lutas e experiências do Coletivo Autonomo dos Trabalhadores Sociais/CATSo (São Paulo/SP)

11h00 – Oficina: Oficina de Encadernação Imprensa Marginal (São Paulo/SP)

11h00 – Oficina: Oficina de minitransmissor de rádio FM – Coletivo Bagu.io (São Paulo/SP)

11h30 – Filme: Índios Munduruku: Tecendo a Resistência (25 min) + Mundurukânia: na beira da história (46 min)

12h00 – Debate: 150 anos da morte de Proudhon: Federalismo, Autogestão e Educação – IEL – Instituto de Estudos Libertários

12h00 – Debate: “Romancero de Mujeres Libres” de Lucía Sánchez Saornil – Thiago Lemos (Patos de Minas/MG)

12h00 – Jogo: Partilha do Tesouro (Espaço Adelino de Pinho)

12h30 – Jogo: Quebra-cabeça das Mulheres Livres (Espaço Adelino de Pinho)

13h00 – Oficina: Instalação de meio de comunicação seguro para celular Observatório da Privacidade e Vigilância

13h30 – Debate: Anarquismo e Questão Indígena – Ativismo ABC (Santo André/SP)

13h30 – Filme / Debate: Comitê contra o genocídio da Juventude Negra do Grajaú (São Paulo/SP)

14h00 – Oficina: Encadernação para e com crianças – Biblioteca Terra Livre (São Paulo/SP) (Espaço Adelino de Pinho)

15h00 – Oficina: Midiativismo libertário – RIA – Rede de Informações Anarquistas (Rio de Janeiro/RJ)

15h00 – Debate: A Greve dos Professores na Perspectiva Autônoma e Anarquista – Professores que participaram da greve em São Paulo e Curitiba

15h00 – Debate: Lançamento do livro “Anarquismo e a Revolução Negra” de Lorenzo Kom’boa Ervin  Coletivo Editorial Sunguilar (Rio de Janeiro/RJ)

15h00 – Debate: Maternidade e Militância (Espaço Adelino de Pinho)

15h00 – Filme: Curtas para Crianças e Adultos

16h00 – Oficina: Stencil para crianças com seus adultos (traga sua camiseta!) (Espaço Adelino de Pinho)

16h00 – Oficina: Oficina de minitransmissor de rádio FM – Coletivo Bagu.io (São Paulo/SP)

16h00 – Filme: Jaime Cubero – Centro de Cultura Social (São Paulo/SP)

16h30 – Debate: Emma Goldman e amor livre – uma aproximação com a atualidade? – Biblioteca Terra Livre (São Paulo/SP)

16h30 – Debate: Governo Progressista de Pepe Mujica no Uruguay: entre sapos e cobras – Ateneo Heber Nieto (Montevidéu/Uruguay)

16h30 – Debate: Pedagogia libertária e educação popular em cursinhos pré-universitários – Cursinho Livre da Lapa, Acepusp e Frente de Cursinhos Populares (São Paulo/SP)

18h00 – Debate: O Protagonismo Feminino na Revolução Social Curda em Rojava – Anelise Csapo (São Paulo/SP)

18h00 – Debate: Pensando o Anarquismo hoje, lançamento do livro “101 definiciones del Anarquismo” – Grupo Gómez Rojas (Santiago/Chile)

18h00 – Filme: Golpe por Golpe (85 min)

18h00Limpeza e organização do Espaço Adelino de Pinho

18h30 – Oficina: Jongo Preta Bandêra (Santo André/SP)

20h00 – Encerramento da VI Feira Anarquista de São Paulo

ESPAÇO ADELINO DE PINHO

O espaço Adelino de Pinho é destinado às crianças de diferentes idades que estarão com suas mães, pais ou responsáveis na Feira Anarquista. Esta é uma proposta do Laboratório de Educação Anarquista (LEA).

Ao longo de todo o dia:

– DÁDIVA

Espaço da dádiva e material anticonsumo (Fenikso Nigra e Barricada Libertária, Campinas/SP)

– EXPOSIÇÕES

* Lembramos que é importante levar sua garrafa ou copo de água pois o Tendal da Lapa não possui bebedouros, somente filtros de água. E devido ao rodízio de água promovido pela Sabesp o espaço pode ficar sem água no final do dia, por isso, programe-se!

Relato e fotos da VI Feira Anarquista de São Paulo
https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2015/12/01/relato-e-fotos-da-vi-feira-anarquista-de-sao-paulo/

No último dia 15 de novembro ocorreu a sexta edição da Feira Anarquista de São Paulo. A programação cheia da Feira já dava a ideia de quão longo e intenso seria aquele dia de domingo. Oficinas, filmes, debates, jogos, exposições, um museu e muitos materiais e grupos
anarquistas ressignificaram o espaço do Tendal da Lapa durante as 10h de duração do evento.

O dia amanheceu nublado e fresco mas não resistiu ao calor habitual que acompanha as tarde de primavera. O mormaço e a circulação de ao menos 2.000 pessoas ao longo do dia pelo espaço aumentaram a temperatura. A intensa chegada de pessoas à Feira a partir da hora do almoço não permitia, a um primeiro olhar, saber de onde vinham e nem imaginar quais eram os seus interesses específicos. As conversas nas banquinhas das editoras e coletivos, nos debates e nas oficinas aos poucos rompiam essa impessoalidade e os sotaques e interesses mútuos criavam laços e diálogos entre as pessoas das mais distintas latitudes. Encontros inusitados entre companheiras e companheiros vindas da Síria, Chile, Uruguai e de todas as partes do Brasil permitiam trocas de experiências sobre temas urgentes e questões de fundo, sempre através de uma ótica libertária.

A programação representou a grande diversidade de pensamentos e opiniões dentro do movimento anarquista atual, por suas produções, reflexões teóricas e realizações práticas. A grande gama de temas ilustra um pouco as preocupações de anarquistas que ajudaram a construir a VI Feira Anarquista de São Paulo: questão indígena, pedagogia libertária, mulheres anarquistas, crítica ao governos “progressistas” na América Latina, a revolução curda na Síria, dentre muitos outros assuntos. Houve momentos em que aconteceram 4 atividades simultâneas tão grande foi o número de propostas recebidas pela organização.

O Laboratório de Educação Anarquista (LEA) novamente realizou uma série de atividades educativas e lúdicas para crianças numa perspectiva libertária. Diversos filmes foram exibidos, atraindo um bom público. Ocorreram também a poesia de Lucía Sánchez Saornil, a exposição sobre as Mujeres Libres e de xilogravuras do artista Alexandre Telles. Infelizmente, motivos de saúde impediram a realização da peça sobre Emma Goldman por Cibele Troyano.

A urgência pelo diálogo e reflexão também marcaram a grande quantidade de materiais publicados pelas editoras e grupos anarquistas. Alguns dos títulos publicados na Feira foram: “101 definiciones del Anarquismo”, de Grupo Gómez Rojas (org.) (Eleuterio); “A Colmeia: uma experiência pedagógica”, de Sébastien Faure (Biblioteca Terra Livre); “A Estratégia do Especifismo”, de Juan Carlos Mechoso (Faísca); “A Questão Feminina em nossos meios”, de Lucía Sánchez Saornil (Biblioteca Terra Livre); “Anarquismo e Revolução Negra”, de Lorenzo Kom`boa Ervin (Sunguilar); “Confederalismo Democrático”, de Abdullah Ocalan (Alter); “Do Sentimento da Natureza nas Sociedades Modernas e outros escritos”, de Élisée Reclus (Imaginário); “Jaime Cubero: seleção de textos e entrevistas”, de Jaime Cubero (Centro de Cultura Social); “O Pensamento de Proudhon em Educação”, de Proudhon, Helen Lazaro e Luiza Guimarães (Imaginário); “Pixação: a arte em cima do muro”, de Luiz Henrique Pereira Nascimento (Monstro dos Mares).

A Feira transcorreu tranquilamente e acreditamos que atingiu alguns de seus objetivos: ajudou a expor a produção e reflexão recente de grupos, coletivos e editoras anarquistas para a sociedade em geral, abordando uma grande diversidade de temas numa perspectiva anarquista e, ao mesmo tempo, reuniu boa parte de anarquistas num grande evento que possibilita, a cada ano, um novo fôlego aos trabalhos e projetos libertários em prática hoje em dia no Brasil.

Que venha 2016 e mais uma primavera anarquista em São Paulo!

Biblioteca Terra Livre
bibliotecaterralivre.noblogs.org

• As imagens da galeria são da fotógrafa anarca-feminista Elaine Campos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Debate sobre o livro Anarquismo e Revolução Negra

Rolezinho na 6ª Feira Anarquista de São Paulo

150 anos da morte de Proudhon: Federalismo, Autogestão e Educação